Alta Floresta (MT), 18 de janeiro de 2020 - 18:32

Abrangência

Asfalto na BR-163 até Miritituba está pronto e escoamento da produção de MT será ininterrupto, diz DNIT

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) confirmou, ao Só Notícias, que a pavimentação que faltava para interligar os municípios de Novo Progresso até Miritituba (ambos no Pará), na rodovia federal, já foi finalizada. A obra foi feita em parceria com o Exército Brasileiro e está prevista para ser entregue pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, no próximo mês. A data ainda não foi definida.

Conforme dados do DNIT, a interligação compreende um dos pontos mais críticos de ao menos 51 quilômetros onde centenas de carretas Mato Grosso ficaram paradas por vários dias nos atoleiros. Ainda restam cerca de 1,5 mil metros para colocação de pavimento, mas a base já está pronta.

A assessoria confirmou ainda que a pavimentação da rodovia no Pará vai proporcionar o fluxo ininterrupto de caminhões que levam a safra de grãos para os portos de Miritituba, no Rio Tapajós. A rodovia federal é uma das responsável por impulsionará a economia, escoando produtos agrícolas pelo Brasil e incrementando a exportação para outros países.

Essa é uma das principais entregas do governo Federal para esse ano. Mesmo com clima desfavorável e incidência do dobro de chuva na região, se comparada à média dos últimos 10 anos, as obras não pararam. Dessa forma, vai garantir mais segurança para os caminhoneiros e eficiência para o escoamento da safra de grãos da região.

O maior tráfego da rodovia é de carretas que saem das regiões Norte e Médio Norte de Mato Grosso rumo a Miritituba e Santarém transportando soja, milho e dezenas de outros produtos. Nesta época de chuvas, os trechos não pavimentados acabavam tendo atoleiros o que atrasava viagens e fazia com que centenas de motoristas ficassem  esperando operações do Exército para eliminar atoleiros.

Em fevereiro deste ano, os caminhoneiros de Mato Grosso ficaram impedidos de trafegarem por mais de cinco dias, em um trecho entre as regiões de Novo Progresso e Moraes Almeida, no qual foram asfaltados – parte feita por uma empreiteira contratada pelo DNIT e outros dois segmentos de responsabilidade do Exército.

No ano passado, no mesmo período, alguns motoristas chegaram a ficar sem água para beber e preparar a alimentação após ficarem parados com carretas e caminhões carregados por mais de uma semana.


Sema impede degradação em área de preservação permanente em Apiacás e Nova Bandeirantes

As equipes de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente impediram a degradação da Área de Preservação Permanente (APP) em região de floresta amazônica.

Essas áreas são especialmente protegidas pois possuem a função especial de preservar a água (recursos hídricos), a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas.

Durante a operação realizada no mês de outubro, foram encontrados nos municípios de Apiacás e Nova Bandeirantes diversos crimes contra flora resultando na aplicação de mais de R$ 21 milhões de reais em multa e embargo de quase 5 mil hectares. Uma pessoa foi presa em flagrante por manter em depósito madeiras de Pequi e Castanheira, madeiras protegidas por lei.

A ação fiscalizatória também embargou quatro Planos de Manejo Florestais Sustentáveis por atuação em descordo com a licença emitida. Também foram apreendidas 352 unidades de toras de essências protegidas por lei, 238 m³ de madeira sem origem e um trator pá carregadeira.

Inteligência e tecnologia

No final de agosto, a Sema, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) e Ibama, deflagrou a “Ação Integrada de Combate ao Desmatamento Ilegal e às Queimadas Ilegais na Amazônia”. Desde então, foram aplicados R$ 270 milhões em multas e embargados cerca de 70 mil hectares.

O êxito das operações se deve ao uso combinado da capacidade de análise dos técnicos da Sema com a utilização de monitoramento do Estado por meio de imagens de satélite. A Plataforma de Monitoramento da Cobertura Vegetal, adquirida pelo Programa REM, por meio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO), com recursos da Alemanha e Reino Unido, monitora o Estado diariamente com resolução espacial de três metros por meio da constelação de nano satélites Planet.

A plataforma conta ainda com alertas semanais de desmatamento tanto na região Amazônica como no Cerrado e Pantanal. A ferramenta permite detectar desmates a partir de um hectare e acompanhar a alteração da cobertura vegetal de forma rápida, possibilitando a notificação remota imediata em casos de infrações. Com o uso da tecnologia, o objetivo da Secretaria é autuar e embargar 100% das áreas quem forem detectados desmatamentos ilegais e enviar as equipes de fiscalização a campo para deter derrubadas da floresta que estejam em andamento.

Programa REM Mato Grosso

Mato Grosso é campeão na redução do desmatamento, marca que o credenciou para recebimento dos recursos do Programa REM, projeto internacional que premia as jurisdições pioneiras na Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+). De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de 2004 a 2018 o Estado acumula redução de 87% no desmatamento da Amazônia.

Do valor destinado ao Estado pelos governos da Alemanha e do Reino Unido, 40% será designado para fortalecimento institucional do governo de Mato Grosso. Os recursos serão investidos para complementar ações já realizadas pelo Estado para combater o desmatamento e valorizar a floresta em pé.

Para receber os valores, que são gerenciados pelo Fundo Brasileiro da Biodiversidade, o estado de comprometeu a manter o desmatamento abaixo de 1788km². O Programa REM Mato Grosso está integrado ao Sistema Estadual de REDD+ [Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal], com a Estratégia Produzir, Conservar, Incluir (PCI), e com o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento e Incêndios Florestais (PPCDIF), contribuindo diretamente para o alcance das metas estabelecidas para conservação ambiental e redução do desmatamento.


Localizada em Alta Floresta, a Rádio Progresso FM 102,1 abrange o município e toda a sua região que compreende Apiacás, Carlinda, Colíder, Guarantã do Norte, Itaúba, Matupá, Nova Canaã, Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Nova Guarita, Paranaíta, Peixoto de Azevedo, Santa Helena e Terra Nova do Norte. Atendendo também o público usuário das plataformas digitais, com áudio da Rádio no ar direto do site, e via aplicativos TuneIn e RádiosNet.


Abragência


Editorial progresso11

Progresso FM 102,1

Av. Ludovico Da Riva Netto, 3274
Alta Floresta/MT - CEP 78580-000
Fone (66) 3521-3501 ou 3521-8188

 

 

Redes Sociais

Alta Floresta
Carregando...

? ºC

/

Proibida a reprodução de conteúdo sem citação da fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo