Alta Floresta (MT), 14 de dezembro de 2019 - 16:42

Brasil

13/11/2019 10:46 Darlan Alvarenga e Daniel Silveira, G1 — São Paulo e Rio de Janeiro

Vendas do comércio crescem 0,7% em setembro, 5ª alta seguida

As vendas do comércio varejista cresceram 0,7% em setembro, na comparação com o mês anterior, com os móveis e eletrodomésticos entre os principais destaques de alta, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Foi o quinto resultado positivo consecutivo do setor no ano, com ganho acumulado de 2,4% no período. Trata-se também do melhor resultado para meses de setembro desde 2009 (1,1%). No acumulado no ano, o avanço chega a 1,3%, o que aponta sinais de uma recuperação mais firme do setor.

O IBGE revisou os resultados do comércio. Em agosto, a alta foi de 0,2%, e não de 0,1% como divulgado anteriormente. Em julho, a alta foi revisada de 0,5% para 0,7%. Já o resultado de maio, que a princípio indicou estabilidade (0%), registrou alta de 0,2%.

Na comparação com setembro de 2018, as vendas do varejo cresceram 2,1% – sexta taxa positiva seguida.

O IBGE mostrou ainda que a receita nominal do varejo cresceu 0,7% na passagem de agosto para setembro, pela série com ajuste sazonal. No confronto com setembro de 2018, essa receita teve elevação de 3,5%.

Alta de 1,5% em 12 meses e de 1,6% no 3º trimestre

Em 12 meses, a alta passou de 1,4% em agosto para 1,5% em setembro, o que mostra uma melhora no ritmo de recuperação das vendas, embora ainda abaixo do patamar registrado em setembro do ano passado, quando acumulava alta de 2,8%.

Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, houve alta de 2,6% – a maior nesta base de comparação [trimestre contra igual trimestre do ano anterior] desde o segundo trimestre de 2018 e a décima alta consecutiva.

 

7 das 8 atividades cresceram em setembro

Segundo o IBGE, 7 das 8 atividades pesquisadas tiveram alta no volume de vendas em setembro.

As maiores altas ocorreram nos segmentos de "Móveis e eletrodomésticos" (5,2%), "Tecidos, vestuário e calçados" (3,3%), "Outros artigos de uso pessoal e doméstico" (1,8%) e "Combustíveis e lubrificantes (1,2%)".

Veja o desempenho de cada segmento em setembro:

 

  • Combustíveis e lubrificantes: 1,23%
  • Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: 0,2%
  • Tecidos, vestuário e calçados: 3,3%
  • Móveis e eletrodomésticos: 5,2%
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria: 0,5%
  • Livros, jornais, revistas e papelaria: 0,2%
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: -2%
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: 1,8%
  • Veículos, motos, partes e peças: 1,2% (varejo ampliado)
  • Material de construção: 1,5% (varejo ampliado)
  • Já o comércio varejista ampliado, que inclui veículos automotivos e material de construção, registrou alta de 0,9% na passagem de agosto para setembro. Com isso, cresceu 3,6% no indicador acumulado no ano e 3,8% em 12 meses até setembro.
  • Recuperação ainda não consolidada

    Questionada se há uma recuperação consolidada do comércio, a pesquisadora disse, porém, que é cedo para afirmar isso, destacando que setembro teve particularidades que ajudaram a impulsionar as vendas – o mês teve dois dias úteis a mais que setembro do ano passado, foram realizadas promoções que atingiram, principalmente, móveis e eletrodomésticos, além do impacto do início da liberação dos saques de R$ 500 do FGTS.

    “Essa conjunção de fatores fez com que o comércio mostrasse esse maior dinamismo, e não a conjuntura econômica, que continua mostrando um mercado de trabalho fraco, lembrando que a renda do trabalho é que impulsiona o consumo”, enfatizou.

    “Quando a gente observa que nos 12 meses não houve variação de ritmo, essa pode ser uma explicação de que essa recuperação ainda tem que ser observada mais à frente para se poder responder em termos de consolidação”, acrescentou.

     

    Vendas crescem em 22 das 27 unidades da federação

    Segundo o IBGE, as vendas cresceram em 22 das 27 unidades da federação em setembro, com destaque para Minas Gerais (7,7%), Rondônia (6,3%) e Espírito Santo (4,0%). Já as maiores quedas foram verificadas no Amapá (-1,4%) e Maranhão (-1,3%).

    Perspectivas para a economia

    Os indicadores econômicos já divulgados mostram uma relativa melhora da economia no 3º trimestre, após uma perda do ritmo de recuperação no início do ano, apesar do desemprego ainda alto

    Na véspera, o IBGE mostrou que o setor de serviços registrou alta de 0,8% no 3º trimestre, em relação ao trimestre anterior, zerando as perdas do ano.

    A produção industrial, por sua vez, terminou o 3º trimestre com alta de 0,3% sobre os três meses anteriores. Foi o primeiro avanço desde o 3º trimestre do ano passado, depois de ter recuado 0,5% no 2º trimestre, 0,4% no 1º trimestre e 1,4% no 4º trimestre de 2018.

    Já a taxa de desemprego ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas. Na comparação com o mesmo período de 2018, o desemprego sofreu leve redução, de 0,1 ponto percentual.

    Apesar do desemprego ainda elevado e da criação de vagas concentrada na informalidade, a inflação e juros baixos tem ajudado no consumo das famílias.

    Para o consolidado de 2019, os economistas das instituições financeiras projetam uma alta de 0,92% do Produto Interno Bruto (PIB), após um avanço de 1,3% em 2017 e 1,1% em 2018. Para 2020, a previsão do mercado subiu para 2,08%, de acordo com a última pesquisa Focus do Banco Central.

     

 


Editorial progresso11

Progresso FM 102,1

Av. Ludovico Da Riva Netto, 3274
Alta Floresta/MT - CEP 78580-000
Fone (66) 3521-3501 ou 3521-8188

 

 

Redes Sociais

Alta Floresta
Carregando...

? ºC

/

Proibida a reprodução de conteúdo sem citação da fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo