Alta Floresta (MT), 22 de setembro de 2019 - 17:41

Polícia

01/06/2019 07:36 Fonte: Olhar Direto

Ex-policial civil, braço armado de Arcanjo alega inocência mas se cala em depoimento

Noroel Braz da Costa Filho, apontado como braço armado do ex-comendador João Arcanjo Ribeiro e também preso na 'Operação Mantus', deflagrada na última quarta-feira (29), decidiu ficar em silêncio durante seu depoimento na sede da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), nesta sexta-feira (31).

Noroel disse, antes de entrar na viatura para ser conduzido à Penitenciária Central do Estado (PCE), que é inocente e nenhuma das acusações contra ele procedem.

Noroel foi policial civil na década de 80 e é apresentado como um dos homens de confiança de Arcanjo, atuando com o ex-comendador há mais de 30 anos.
Durante seu depoimento, Noroel resolveu ficar  silêncio e afirmou que apenas se pronunciará em juízo.
O advogado de Noroel, Mauro Laurindo, afirmou que o cliente somente irá se pronunciar em juízo e que irá recorrer da prisão. Porém, preferiu não revelar a estratégia da defesa.
Histórico
Noroel Braz da Costa Filho, apontado como assessor direto de Arcanjo, seria o ‘braço armado’ do ex-comendador e o responsável pela segurança das operações e cobranças. Em uma conversa interceptada pelas autoridades, ele afirma que está no sistema há mais de 30 anos, trabalha direto com a presidência e que “Mato Grosso tem dono”.

Também foram ouvidos nesta sexta-feira (31), Paulo Cesar Martins e Bruno Cesar Martins, pai e filho, que também estariam envolvidos no grupo de João Arcanjo. O primeiro teria a função de supervisionar e recolher o dinheiro do 'jogo do bicho'. Já o segundo, seria apenas o recolhedor.
Mantus
As investigações iniciaram em agosto de 2017, conseguindo descortinar duas organizações criminosas que comandam o jogo do bicho no Estado de Mato Grosso, e que movimentaram em um ano, apenas em contas bancárias, mais de R$ 20 milhões. Uma das organizações é liderada por João Arcanjo Ribeiro e seu genro Giovanni Zem Rodrigues, já a outra é liderada por Frederico Muller Coutinho.
 
Durante as investigações, foi identificada uma acirrada disputa de espaço pelas organizações, havendo situações de extorsão mediante sequestro praticada com o objetivo de manter o controle da jogatina em algumas cidades.
 
Os investigadores também identificaram remessas de valores para o exterior, com o recolhimento de impostos para não levantar suspeitas das autoridades. Foram decretados os bloqueios de contas e investimentos em nome dos investigados, bem como houve o sequestro de ao menos três prédios vinculados aos crimes investigados.
 
Os suspeitos vão responder pelo crime de organização criminosa, lavagem de dinheiro, contravenção penal do jogo do bicho e extorsão mediante sequestro, cujas penas somadas ultrapassam 30 anos.
 
No total, foram expedidos 63 mandados judiciais, sendo 33 de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão domiciliar, expedidos pelo juiz da 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu.


Editorial progresso11

Progresso FM 102,1

Av. Ludovico Da Riva Netto, 3274
Alta Floresta/MT - CEP 78580-000
Fone (66) 3521-3501 ou 3521-8188

 

 

Redes Sociais

Alta Floresta
Carregando...

? ºC

/

Proibida a reprodução de conteúdo sem citação da fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo