Alta Floresta (MT), 18 de junho de 2019 - 15:59

Saúde

27/02/2019 07:22 NM

Após dois anos em queda, casos de dengue crescem 149% no Brasil

Depois de mais de dois anos em queda, a dengue voltou a avançar no país. Dados de novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde apontam 54.777 casos prováveis da doença até o dia 2 de fevereiro, mais do que o dobro do mesmo período de 2018.

 

Para comparação, nas primeiras cinco semanas do último ano, foram notificados 21.992 casos -o que indica um aumento de 149% nos registros neste ano.

O avanço ocorre em quase todas as regiões do país, com exceção apenas do Centro-Oeste. Com 32 mil casos, o Sudeste responde por 60% das notificações.

Ao todo, 15 estados tiveram crescimento nos casos de dengue em comparação ao mesmo período do ano passado. O verão é considerado o período de maior preocupação em relação à doença, devido ao clima propício à proliferação do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. Lideram a lista de registros São Paulo, que já soma 17 mil casos, e Minas Gerais, com 12 mil.

Também já foram registradas cinco mortes pela doença. Destas, duas ocorreram em Goiás. As demais ocorreram em São Paulo, Tocantins e Distrito Federal.

A situação tem levado autoridades de saúde a aumentarem o alerta sobre o combate de focos do mosquito transmissor.

Os primeiros sinais do avanço da dengue, no entanto, já haviam sido registrados no ano passado, quando levantamentos apontaram alta infestação de Aedes aegypti em 1 a cada 4 municípios do país.

Com isso, o ano de 2018 também fechou com crescimento de 11% no total de casos da doença. O panorama interrompeu uma sequência de queda nos registros, a qual vinha sendo registrada desde 2016.

Até então, a redução era atribuída ao maior controle do mosquito vetor em meio à emergência devido aos casos de zika e microcefalia, situação decretada em 2015, e ao próprio ciclo epidemiológico da dengue, que prevê redução de casos após período de forte epidemia -devido à redução do número de pessoas suscetíveis ao vírus em circulação.

Agora, o aumento na circulação de outro tipo de vírus da dengue acaba por mudar esse cenário. Neste ano, segundo o ministério e secretarias estaduais de Saúde, a maioria dos casos está ligado ao avanço do vírus da dengue tipo 2.

Desde 2014, os sorotipos mais prevalentes eram o 1 e o 3. "Como a maioria da população [de São Paulo] estava imune ao tipo 1 e não tinha tido o tipo 2, ele chegou e pegou todo mundo", afirma o infectologista Marcos Boulos, da coordenadoria de doenças da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

Segundo ele, a evolução de uma nova infecção é mais grave em pessoas que já contraíram outros sorotipos da doença. "Quando tem várias infecções sequenciais em intervalo de seis meses a três anos, a tendência é de evolução para maior gravidade. Nosso problema é não só o número de casos estar mais alto que o ano passado, mas a gravidade dos casos. Isso pode aumentar bastante o número de mortes em São Paulo por dengue", completa.

Entre as medidas recomendadas para prevenir a doença estão manter tampados tonéis, caixas e barris de água, trocar água de vasos de plantas ao menos uma vez na semana, manter garrafas e latas de boca para baixo e manter pneus em locais cobertos.

ZIKA E CHIKUNGUNYA

Na contramão dos casos de dengue, os registros de outras duas doenças transmitidas pelo Aedes têm tido queda no país.

Neste ano, os casos de zika somam 630, redução de 19% em relação ao mesmo período do ano passado.


Editorial progresso11

Progresso FM 102,1

Av. Ludovico Da Riva Netto, 3274
Alta Floresta/MT - CEP 78580-000
Fone (66) 3521-3501 ou 3521-8188

 

 

Redes Sociais

Alta Floresta
Carregando...

? ºC

/

Proibida a reprodução de conteúdo sem citação da fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo